HORÁRIO DE ATENDIMENTO:
Seg. a Sex. das 8h às 18h

Quais as diferenças entre artrite e artrose do quadril?

Dr. Daniel Daniachi Ortopedista e Traumatologista especialista em cirurgia do quadril

Muita gente acredita que a artrite reumatoide e a osteoartrite, também chamada de osteoartrose ou simplesmente artrose, consistem na mesma doença, gerando dúvidas e sendo confundidas muitas vezes pelos próprios pacientes. Até a farmacêutica Pfizer Brasil chegou a encabeçar uma pesquisa que mostrou que 66% dos brasileiros acham que de fato elas se tratam da mesma enfermidade. E, apesar de terem sintomas e características semelhantes, existem diferenças entre artrite e artrose

Basicamente, a artrite reumatoide se trata de uma doença inflamatória autoimune e crônica, caracterizada pela inflamação das articulações. Ou seja, o sistema imunológico passa a atacar o próprio organismo, afetando o tecido que reveste as articulações, denominado sinóvia, sendo mais comum nas mãos, pés, punhos e tornozelos.

Dentre os principais sintomas da doença estão dor, inchaço, vermelhidão, edema e sensação de calor nas articulações, além de cansaço e fadiga. Geralmente, também ocorre uma rigidez na região inflamada quando se faz um repouso prolongado, o que pode ser sentido principalmente ao acordar. Então, no decorrer do dia, com a movimentação, os incômodos se tornam cada vez mais amenos.

As causas da artrite ainda não são muito bem esclarecidas, mas se tem conhecimento de que se trata de uma condição multifatorial, podendo envolver fatores genéticos, infeciosos, ambientais, como o tabagismo, e hormonais. Ademais, qualquer pessoa pode desenvolver a doença, independentemente de sexo e faixa etária, incluindo crianças, mas ela é mais comum em mulheres com idade entre 30 e 50 anos.

Por sua vez, a artrose se trata de uma doença articular degenerativa, sendo um tipo de reumatismo caracterizado pelo desgaste da cartilagem – tecido que reveste e protege os ossos -, podendo apresentar inflamação. Por conta disso, o paciente tende a sofrer lesões ósseas, denominadas osteoses, que dentre as mais conhecidas estão a joanete e o bico de papagaio.

Alguns sintomas são bastante parecidos com os da artrite, como dor, inchaço, derrame (acúmulo de líquido na articulação), deformidades e formação de nódulos. Entretanto, a diferença para os sintomas da artrite é que, nesse caso, a dor é mecânica, aparecendo conforme a pessoa se movimenta ou quando ela fica na mesma posição por muito tempo.

Apesar de a artrose poder surgir por conta de traumas, movimentos repetitivos, sobrepeso ou alterações anatômicas, essa condição normalmente está relacionada à idade, podendo ser influenciada também pela predisposição genética. Portanto, é mais comum em indivíduos após os 55 anos e afeta principalmente coluna, joelhos, mãos, pés e quadris.

Artrose no quadril

A artrose do quadril, também chamada de coxartrose, se trata, portanto, do desgaste da cartilagem do quadril, que pode ocorrer de forma primária ou secundária.

Dentre os principais sinais e sintomas da artrose de quadril estão:

  • Dor em torno da articulação do quadril, que pode irradiar para a virilha;
  • Rigidez articular, o que impossibilita de cruzar as pernas, colocar sapatos ou cortar as unhas;
  • Dificuldade para ficar de pé por muito tempo;
  • Dificuldade para caminhar;
  • Dificuldade para sair do carro e sentar-se em assentos baixos;
  • Mancar ao se levantar;
  • Estalidos e sensação de crepitação na articulação.

A artrose primária, também chamada de idiopática, se dá quando não se identifica uma causa específica para esse desgaste, mesmo com uma avaliação minuciosa, sendo mais comum em pacientes idosos, especialmente em mulheres. Esse quadro normalmente está relacionado a fatores genéticos e histórico familiar.

Já na artrose secundária, o paciente precisa ter passado por alguma condição prévia que tenha gerado esse desgaste, ou seja, é o resultado de uma doença no quadril. Então, ela pode acometer tanto idosos quanto pacientes jovens. Dentre as principais condições que podem levar à artrose secundária estão:

  • Displasia do desenvolvimento do quadril (DDQ)

Também chamada de luxação congênita do quadril, acontece quando o bebê nasce com algum tipo de alteração na formação da estrutura do quadril – geralmente quando a cobertura da cabeça do fêmur é insuficiente -, o que pode causar até um deslocamento da articulação.

  • Doença de Legg-Calvé-Perthes 

Esse termo é usado especificamente para os casos de necrose da cabeça femoral em crianças, causada pela falta de fornecimento de sangue para a região, associada ao achatamento da cabeça do fêmur e alteração no formato da articulação.

Em adultos, a necrose da cabeça do fêmur leva o nome de osteonecrose, necrose avascular ou necrose asséptica, e acomete preferencialmente pessoas de 30 a 50 anos, podendo causar incapacidade.

  • Sequela de fratura

Alteração na movimentação e perda de cartilagem causada por qualquer tipo de fratura na região do quadril, em que a articulação já não conta mais com um encaixe perfeito.

  • Reumatismo

As inflamações associadas a reumatismos também têm a capacidade de destruir a cartilagem.

Artrite no quadril

De começo, a artrite reumatoide costuma ser discreta, incomodando apenas em determinadas movimentações durante o dia e na prática de atividades físicas. Geralmente, o indivíduo acorda com certa rigidez, que melhora no decorrer do dia. Entretanto, o quadro tende a piorar com o passar do tempo, podendo comprometer a execução de diversas atividades cotidianas, como:

  • Caminhar;
  • Correr;
  • Pedalar;
  • Subir e descer degraus;
  • Levantar de assentos;
  • Trocar de roupa;
  • Calçar sapatos.

Com a artrite num estágio mais avançado, as dores podem permanecer, mesmo após um período de movimentação, e ganharem uma intensidade cada vez maior. Por isso, é importante buscar ajuda médica logo nos primeiros sinais da doença.

Precisa passar pela avaliação de um especialista em quadril? Entre em contato e agende a sua consulta.

INFORMAÇÕES DO AUTOR:

Dr. Daniel Daniachi Ortopedista e Traumatologista especialista em cirurgia do quadril

Formado em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP), possui residência médica em Ortopedia e Traumatologia pela mesma instituição de ensino e subespecialização em Cirurgia do Quadril.
Registro CRM-SP nº 117036.