HORÁRIO DE ATENDIMENTO:
Seg. a Sex. das 8h às 18h

Quanto tempo dura prótese no quadril

Dr. Daniel Daniachi Ortopedista e Traumatologista especialista em cirurgia do quadril

Também chamado de artroplastia de quadril, o procedimento de prótese no quadril consiste numa cirurgia, em que a cartilagem e os ossos acometidos nessa região são devidamente substituídos por uma articulação artificial. Ou seja, é acoplada uma prótese ao osso do quadril (acetábulo) e à cabeça do fêmur (osso da coxa). 

Existem diversos tipos de implante, que variam conforme a sua fixação, tamanho, material (metal, polietileno ou cerâmica), modelo, dentre outras características, cada um com suas vantagens e desvantagens, indicações e cuidados específicos. Por isso, o médico deverá fazer a melhor indicação para cada caso.

A prótese no quadril pode ser indicada tanto para o tratamento de algumas fraturas no local quanto para os casos de degeneração primária (consequência do avanço da idade) ou secundária (por conta de doenças ou sequelas de fraturas), a fim de recuperar a movimentação e para o alívio da dor. Entretanto, a realização desse procedimento é mais comumente indicada para pacientes idosos com coxartrose, ou desgaste na articulação do quadril.

Graças aos avanços da medicina, hoje em dia, a técnica cirúrgica e os implantes disponíveis se encontram bastante evoluídos, propiciando um alto índice de sucesso nos resultados e um menor número de complicações. Mas, vale ressaltar que, como qualquer procedimento cirúrgico, a prótese no quadril também não está isenta de riscos, ainda que baixos, como infecção, desgaste das peças e trombose nos membros inferiores, por exemplo.

A cirurgia de prótese no quadril

A duração do procedimento é de, em média, 2 horas e meia, dependendo das condições do paciente, e o período de internação hospitalar fica entre três a cinco dias. Geralmente, há a indicação imediata para a fisioterapia após a alta, que deve ser feita de seis meses a um ano. Para o pós-operatório, o médico normalmente também prescreve medicamentos, como analgésicos e anti-inflamatórios.

Durante o período de recuperação, é importante que o paciente, além de seguir as recomendações do seu médico, tome algumas precauções, como:

  • Não cruzar as pernas (para evitar o deslocamento da prótese);
  • Evitar girar a perna operada para dentro ou para fora;
  • Evitar deitar de lado sobre a perna operada (principalmente no primeiro mês);
  • Não se sentar em superfícies muito baixas (colocar assentos no vaso sanitário, sofá e cadeiras, por exemplo);
  • Ao subir degraus, usar a perna não operada primeiramente e depois a operada. Para descer, fazer o contrário, posicionar a perna operada e depois a não operada.
  • Deitar de barriga para cima com as pernas entreabertas (pode ser colocado um travesseiro entre elas);
  • Realizar atividades físicas leves, como caminhadas, nas primeiras semanas após a cirurgia.

No geral, o paciente é liberado para fazer outras atividades físicas mais intensas após cerca de dois meses de recuperação. Mas, em todo caso, é indispensável consultar o médico para obter as devidas orientações quanto aos cuidados no pós-operatório. 

Quanto tempo dura a prótese no quadril?

Essa é uma das principais dúvidas dos pacientes que possuem indicação para a artroplastia de quadril. Ainda que não se possa prever a duração exata da prótese, é possível afirmar que a média é de 15 a 20 anos. Após esse período, pode ser recomendada a sua substituição. Entretanto, em alguns casos, mesmo passado esse tempo, a prótese ainda pode durar por muitos anos a mais. 

Nesse cálculo, devem ser considerados alguns fatores, como a idade do paciente. Aqueles submetidos à cirurgia com menos de 50 anos, por exemplo, tendem a exigir mais do implante em comparação aos idosos, o que representa um maior risco de falha. Basicamente, devem ser levados em conta três fatores:

  • Cirurgião: podem ocorrer erros técnicos durante a realização do procedimento, como posicionamento inadequado, mau dimensionamento do implante ou falta de cuidado com as partes moles. Assim como, o profissional pode fazer uma má escolha do modelo ou do tipo de prótese ou falhar nas orientações ao paciente.
  • Prótese: a escolha do modelo deve atender a alguns critérios, que são baseados nas características individuais no paciente, na qualidade do implante e na experiência que o profissional possui com a prótese e a técnica cirúrgica.
  • Paciente: deve estar ciente e cumprir com as recomendações médicas, além de estar bem esclarecido sobre as consequências de determinadas escolhas após a cirurgia, como, por exemplo, a prática de esportes radicais ou de exercícios físicos de alto impacto.   

Dentre os principais motivos para que um paciente tenha a indicação para reoperar uma prótese, no que é chamado de cirurgia de revisão, estão:

  • Deslocamento ou luxação da prótese;
  • Quadro de infecção, também chamado de rejeição;
  • Soltura dos componentes ou soltura asséptica.

Por fim, é importante ter em mente que o sucesso do procedimento e o bom desempenho da prótese estão diretamente ligados principalmente à escolha do material, à técnica operatória adotada e ao cumprimento dos devidos cuidados pelo paciente após a cirurgia. Precisa da avaliação de um especialista em quadril? Entre em contato e agende a sua consulta.

INFORMAÇÕES DO AUTOR:

Dr. Daniel Daniachi Ortopedista e Traumatologista especialista em cirurgia do quadril

Formado em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP), possui residência médica em Ortopedia e Traumatologia pela mesma instituição de ensino e subespecialização em Cirurgia do Quadril.
Registro CRM-SP nº 117036.